9 de ago de 2018

UMA CARTA PELA PAZ NO ORIENTE


Sacerdote siríaco-ortodoxo reza diante de ícone de Nossa Senhora Eleusa, na cidade de Fairouzah  

Só a paz e a estabilidade detêm emigração de cristãos, dizem patriarcas católicos do Oriente

"Repetimos a todos, especialmente aos políticos, que a melhor ajuda para dar aos nossos fiéis é permitir que eles fiquem em suas casas, em seus países, não provocar agitações políticas e as várias formas de violência que os forçam a emigrar", dize o Conselho dos Patriarcas Católicos do Oriente em carta elaborada em 2017 e relançada em 3 de agosto pelo Patriarcado Latino.

Cidade do Vaticano:

"Repetimos a todos, especialmente aos políticos, que a melhor ajuda para dar aos nossos fiéis é permitir que eles fiquem em suas casas, em seus países, não provocar agitações políticas e as várias formas de violência que os forçam a emigrar."

Este é o apelo contido na décima primeira carta pastoral do Conselho dos Patriarcas Católicos do Oriente (Cpco), publicado em 20 de maio de 2018, e relançada em 3 de agosto pelo Patriarcado Latino de Jerusalém. O documento - relata a agência Sir - foi elaborado durante a reunião do Cpco, realizada de 9 a 11 de agosto de 2017, nas proximidades de Beirute, no Líbano.

Três mensagens contidas na carta pastoral:

Na carta intitulada "Os cristãos do Oriente hoje, medos e esperanças – Em tudo, de fato, somos atribulados, mas não desanimados; prostrados, mas não aniquilados"(2 Cor 3, 4), os patriarcas católicos do Oriente  refletem sobre a situação humana, social e política dos países do Oriente Médio, visto que “nenhum país árabe conhece a paz ou a estabilidade" por causa de guerras, terrorismo, pobreza, emigração dos cristãos.

Três as mensagens contidas: "a primeira aos nossos fiéis; a segunda aos nossos concidadãos e aos governantes dos nossos países; o terceiro àqueles que no Ocidente que decidem sobre a política do Oriente Médio e Israel ".

O apelo aos fiéis do Oriente Médio: resistir à tentação da emigração:

Os patriarcas recordam aos seus fiéis da "importância da presença cristã no Oriente e da presença de cada um de vocês em seus países onde Deus os chamou e os enviou. Em tempos difíceis, seus países e suas igrejas precisam de você. Nós dizemos a vocês para resistir o quanto puderem à tentação da emigração e para continuar vivendo sua missão em seus países e em suas Igrejas. O futuro das nossas Igrejas e da presença cristã em geral na região depende também da decisão de vocês de deixar ou aceitar a vontade de Deus, permanecendo onde ele chamou vocês".

O apelo aos governantes: ouvir a voz dos pobres e dos oprimidos, respeitar a laicidade:

Aos políticos e aos governantes dos países do Oriente Médio, os patriarcas pedem para ouvir a voz dos pobres e oprimidos e de não ceder às "pressões externas mundiais e às grandes potências que pretendem mudar a seu bel prazer" a região.

A carta então reitera a necessidade de construir "um estado laico, baseado na igualdade de todos os seus cidadãos, sem discriminação baseada em religião ou qualquer outra razão. Um estado laico separa religião e estado, mas respeita todas as religiões e as liberdades. Esforça-se por compreender melhor a questão religiosa em nossos países, com seus componentes, cristianismo, islã e comunidades drusas, sem permitir que se transformem em confessionalismo religioso ou político".

Isto implica "novas visões" por parte dos líderes religiosos cristãos, muçulmanos e drusos, unidos pela fé em um Deus único, líderes que colaborem e se esforcem para formar crentes que se amem, seja qual for a sua respectiva religião.  Está nesta visão a resposta ao extremismo religioso e à exclusão que ainda vive nos corações de muitas pessoas.

A denúncia das responsabilidades do Ocidente:

Forte na carta também a denúncia das responsabilidades do Ocidente. "No Ocidente existem povos bons e amigos, civilizações antigas - escrevem os patriarcas - mas existem também responsáveis políticos que tomam decisões que dizem respeito ao Oriente Médio e a todos os nossos países, com base em seus interesses econômicos e estratégicos, à custa dos interesses de nossos países".

"Isso - dizem os patriarcas - começou com a destruição do Iraque e depois da Síria, e com o enfraquecimento do Egito. A Jordânia e o Líbano vivem sob uma ameaça permanente. Criaram-se conflitos ou alianças no Iêmen, no Bahrein, na Arábia Saudita e nos países do Golfo. E está sendo preparada  uma guerra contra o Irã. Esta é a realidade em que vivemos atualmente".  Esta "política de destruição no Oriente Médio, liderada pelo Ocidente", é também a causa "da morte e da migração forçada de milhões de pessoas de nossos países, incluindo cristãos".

O terrorismo islâmico é o resultado da interferência de potências estrangeiras:

A consequência direta desta política é "o terrorismo que se estabeleceu em nossos países, antes de voltar-se contra o mesmo Ocidente que deu origem a ele".

O terrorismo nasceu porque aqueles que fazem a política no Ocidente, recorreram a isso como uma ferramenta eficaz para mudar a face do Oriente. Com seus aliados na região, eles criaram o Estado Islâmico, o ISIS, com material humano local, desfrutando do extremismo religioso existente e uma compreensão deturpada da religião. Em outras palavras, eles atingiram as pessoas através de sua própria religião. Com o Isis, o terrorismo religioso atingiu os limites extremos da crueldade e da desumanidade.

Os terroristas islâmicos não matam somente cristãos, mas também outros muçulmanos:

Dos patriarcas também vem uma advertência: No Ocidente, muitas pessoas, incluindo os próprios políticos, dizem que os extremistas muçulmanos mataram cristãos e o cristianismo no Oriente está desaparecendo. A imagem aparente e os fatos parecem confirmar o que eles dizem, mas na realidade - recordam os patriarcas - os extremistas muçulmanos que mataram cristãos, mataram também muçulmanos (sunitas e xiitas), Yazidis, alauítas, drusos e todos aqueles que se opuseram a eles .

Os verdadeiros assassinos são aqueles que tomam as decisões no Ocidente, que, com seus aliados na região, querem criar um novo Oriente Médio, de acordo com suas visões e seus interesses.  É verdade que no Ocidente os povos amigos levantaram suas vozes e expressaram sua solidariedade conosco, e o mesmo fizeram as Igrejas – lê-se na carta - mas para aqueles que fazem a política do Oriente Médio, nós, os cristãos, não existimos.

O apelo para que Israel reconheça o Estado palestino:

Os patriarcas católicos dirigem também um apelo pela  Palestina: "Os palestinos reconheceram o Estado de Israel; agora, que este último reconheça o Estado palestino nos restantes 22% de suas terras, incluindo Jerusalém Oriental ". "A amizade do povo palestino com Israel – é sublinhado na carta - é a porta da salvação e da sobrevivência do Estado de Israel e uma condição necessária para a verdadeira paz na região".

CONTRIBUIÇÃO: Urbano Medeiros.

FONTE: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2018-08/oriente-medio-patriarcas-catolicos-migracao-cristaos-politica.html

19 de jul de 2018

REUNIÃO DO CLERO SÍRIO ORTODOXO DO CEARÁ





REUNIÃO DO CLERO SÍRIO ORTODOXO DO CEARÁ
Presidência: Mons. Francisco Cláudio Leite de Morais

Na manhã do sábado, dia 14/07, das 08h às 11h, reuniram-se o Clero Sírio Ortodoxa do estado do Ceará, sob a presidência do Corepíscopo Mons. Francisco Cláudio Leite de Morais, na Paróquia Mãe de Deus e São Jorge - Fortaleza/CE, para tratar de assuntos relacionados aos andamentos dos trabalhos realizados pelo clero em suas respectivas paróquias e comunidades.

Foi visto e avaliado pelo clero presente a nota emitida pela presidência do Sínodo Ortodoxo Nacional, em virtude do CANCELAMENTO na data fixada e da nova chamada para um momento em agosto em Goiânia/GO.

Agradecemos a presença de todos, principalmente daqueles que vieram de mais longe e fizeram o esforço de serem fiéis aos nossos compromissos. A palavra de ordem para todos é uma só: permanecemos fiéis à missão que Deus nos confiou. Renovemos, pois, o nosso ânimo, peçamos a força do Espírito Santo, com seus dons espirituais para anunciarmos o Evangelho não apenas com palavras, mas com poder e convicção no Espírito. A todos em nome de Cristo nosso abraço fraterno e que Deus nos dê sempre a Vitória em seu Santo Nome.

Foi visto como POSITIVO os andamentos e trabalhos apresentados pelos irmãos. Contando assim, com a nossa colaboração junto ao Governo Central.

29 de jun de 2018

O CEBRAC MOSSORÓ DISPARA EM FORMAÇÃO DE CIDADANIA E PROFISSIONALISMO.



Presença do Professor Haelio Geovani de Oliveira
Idealizador do Projeto e da Ação Solidária

A empresa CEBRAC (Centro Brasileiro de Cursos), tem uma franquia na cidade de Mossoró/RN, desenvolveu nesta última quarta-feira, 27/06/2018 - às 09:30min da manhã - a gravação de um vídeo com o objetivo de promover a ação solidária.

Contamos com a presença dos alunos, dos professores, da equipe de comunicação, da TCM (TV Cabo Mossoró) e de um casal de idosos: Miguel e Maria do Centro Geriátrico do Alto da Conceição.

O objetivo final foi atingido pelos envolvidos, sensibilizar e motivar a prática da solidariedade.

Parabéns ao Cebrac Mossoró!

18 de jun de 2018

O USO DE VELAS ORTODOXAS DURANTE AS ORAÇÕES E CELEBRAÇÕES




Pergunta: Por que acendemos velas na Igreja?

Resposta: Tipicamente existem dois tipos de velas com as quais os ortodoxos estão familiarizados. Primeiro, existem as genuínas velas de cera de abelha puras, feitas a partir dos pentes das colmeias. Em segundo lugar, existem as velas de parafina feitas a partir de petróleo. Quando os Padres da Igreja falam sobre o uso ortodoxo das velas, eles estão se referindo às velas de cera de abelha pura e não às estas últimas. A cera de parafina produz substâncias cancerígenas e fuligem quando queimadas. Na verdade, um pesquisador de qualidade do ar afirmou que o fuligem de uma vela de parafina contém muitas das mesmas toxinas produzidas pela queima de combustível diesel.

Com esta informação em mente, podemos entender melhor as seis representações simbólicas de velas acesas, transmitidas por São Simeão de Tessalônica:

1. Como a vela é pura (cera de abelha pura), também os nossos corações devem ser puros.

2.  Como a vela pura é flexível, então também nossas almas devem ser flexíveis até tornarem-se retas e firmes.

3. Como a vela pura é derivada do pólen de uma flor e tem um cheiro doce, então também nossas almas devem ter o aroma doce da Graça Divina.

4. Assim como a vela, que quando queima, mistura-se e alimenta a chama, também nós podemos lutar para alcançar a theosis.

5. Como a vela ardente ilumina a escuridão, a luz de Cristo dentro de nós também deve resplandecer diante dos homens, para que o nome de Deus seja glorificado.

6. À medida que a vela dá luz própria para iluminar uma pessoa na escuridão, também a luz das virtudes, a luz do amor e da paz, caracterizam um cristão. A cera que derrete simboliza a chama do nosso amor pelos nossos semelhantes.

Além das seis representações simbólicas acima, São Nicodemos, o Hagiorita, nos dá seis razões diferentes pelas quais as velas ortodoxas queimam:

1. Para glorificar a Deus, que é Luz, enquanto cantamos na Doxologia: "Glória a Deus que nos mostrou a luz ..."

2. Para dissolver a escuridão da noite e para banir o medo que é provocado pela escuridão.

3. Para manifestar a alegria interior de nossa alma.

4. Para dar honra aos santos de nossa Fé, imitando os primeiros cristãos dos primeiros séculos que acenderam velas nos túmulos dos mártires.

5. Para simbolizar as nossas boas obras, como o Senhor disse: "Deixe a sua luz brilhar diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem o Pai que está nos céus".
O sacerdote também nos dá esta missão após o nosso batismo.

6. Para que nossos próprios pecados sejam perdoados e queimados, bem como os pecados daqueles para quem oramos.

Por todas estas razões citadas por nossos Santos Padres, vamos sempre acender nossas velas e garantir o máximo possível de serem velas puras. Devemos abster-nos de toda corrupção e impureza, para que todo o simbolismo acima seja realizado em nossas vidas cristãs.

Em um momento durante a Divina Liturgia dos Dons Pré-Santificados, o liturgista mantém uma vela acesa, e de frente para as pessoas ele proclama: "A luz de Cristo brilha sobre todos". Cristo é "a verdadeira luz que ilumina e santifica todos os homens".

Somos dignos de receber essa luz? Os próprios santos buscavam constantemente essa luz. Deixe-nos então também imitar os santos e, como São Gregório Palamas, continuamente implorar ao Senhor com as seguintes palavras: "Ilumine minha escuridão".

Pergunta: Existe alguma outra razão pela qual acendemos nossa vela na igreja?

Resposta: Além das razões espirituais mais elevadas mencionadas acima sobre os motivos de acendermos velas, há outra razão mais simples e prática: fazer uma oferta financeira à igreja. Quando vamos acender nossa vela, também devemos oferecer uma oferta para os vários serviços e despesas da igreja. A igreja nos dá a vela como uma benção para a nossa oferta e nos permite inflamar a chama dos simbolismos mencionados acima.

Pergunta: Devemos acender velas fora da igreja também?

Resposta: É bom e louvável acender velas em casa quando oramos, quando o sacerdote visita uma casa para bênção com água benta ou unção sagrada, e até acender uma vela quando visitamos o túmulo de um ente querido.

Pergunta: Existe alguma outra finalidade para a vela?

Resposta: Quando iluminamos uma vela na igreja, estamos fazendo uma oferta à igreja ou à um ícone particular para embelezá-lo, e mostrar através da luz física a simbolização da luz incriada da casa de Deus ou do santo retratado no ícone. Também é costume que os fiéis ofereçam velas de cera de abelha pura na Consagração de uma nova igreja.

Compartilhado por: Urbano Medeiros.

5 de jun de 2018

S.E. MOR JOSÉ FAUSTINO FILHO - BISPO EMÉRITO DA IGREJA SIRIAN ORTODOXA DE MISSÃO NO BRASIL


Nesta manhã, as Comunidades de Missão, pertencentes à Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia no Brasil, receberam um comunicado de S.E. Mor José Faustino Filho (até então – no posto de Arcebispo), afirmando sua aposentadoria, através de carta enviada pelo Patriarcado (datada de 16 de maio de 2018) e confirmada pela assinada de SS Moran Mor Inácio Efrem II (Patriarca Sírio Ortodoxo de Antioquia e de todo o Oriente).





HISTÓRICO: José Faustino Filho, nascido em 1942, na bela cidade de Bom Conselho/PE. Em 1969 fora ordenado sacerdote e, por volta de 1984, ordenado bispo (pelas mãos de Mor Moussa e Mor Leolino - realizada na Capela do Mosteiro em Samambaia/DF). Pelas mãos de S.E. Mor Crisóstomos Moussa Matanos Salama, foi entronizado na Eparquia Ortodoxa de Goiânia/GO em 1993, que, naquela ocasião, foi sagrado monge. Com o adormecimento de S.E. Mor Crisóstomos Moussa Matanos Salama, assumiu a presidência das Igreja de Missão, juntamente com o saudoso Mor Leolino Gomes Neto, onde exerceu suas funções administrativas até a data de publicação da referida nota expedida pelo Patriarcado Sírio Ortodoxo de Antioquia.

NOTA DO PATRIARCADO - 16/05/2018


TRADUÇÃO DA NOTA EXPEDIDA


NOTA DE S.E. Mor José Faustino Filho (Bispo Emérito do Brasil)

As Igrejas em Missão no Brasil ficam, a partir de agora, sob o pastoreio do Delegado Patriarcal S.E. Mor Titos Boulos Touza. Já S.E. Mor José Faustino Filho, deixará os trabalhos administrativos e pastorais, não podendo exercer ordenações de clérigos de nenhuma categoria e consagrar novas igrejas; podendo apenas celebrar a Divina Liturgia em quaisquer paróquias e Comunidades pelo Brasil.


Como filhos(as) espirituais, rogamos a Deus Pai (+), Filho (+) e Espírito Santo (+) saúde e vida longa. Nós não esqueceremos seu amor e zelo pela obra deixada por Mor Moussa Matanos Salama, e, continuada por vossas mãos.

“A Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia no Brasil – é e sempre será – uma obra do Espírito Santo!” 



1 de mai de 2018

ANIVERSÁRIO NATALÍCIO DE S.E. MOR TITUS PAULO TUZA - ARCEBISPO E NÚNCIO APOSTÓLICO DO BRASIL


Hoje, 01/05, as Missões do Ceará e Rio Grande do Norte, sob o pastoreio do Curepíscopo Mons Claudio Monsenhor e da Comunidade Mãe de Deus e São Jorge, da cidade de Mossoró/RN - pertencentes a Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia no Brasil, celebram a vida do nosso Arcebispo e Núncio Apostólico Patriarcal, SE Mor Titus Dom Tito Paulo Tuza. Desejamos saúde, paz e vida longa.

29 de mar de 2018

HORÁRIOS DA SEMANA SANTA EM MOSSORÓ/RN


COMUNIDADE SIRIAN ORTODOXA MÃE DE DEUS E SÃO JORGE
HORÁRIO DE NOSSAS CELEBRAÇÕES - SEMANA SANTA
MOSSORÓ/RN

QUARTA-FEIRA SANTA
- Confissões às 19h.

QUINTA-FEIRA SANTA – LAVA PÉS
- Divina Liturgia às 19h.

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO
- Sepultamento do Senhor às 15h.

SÁBADO DE ALELUIA E BENÇÃO DO FOGO NOVO
- Divina Liturgia às 22h.

DOMINGO DE PÁSCOA DO SENHOR
- Divina Liturgia às 17h.

SANTO QURBONO NA QUINTA-FEIRA SANTA - CONSAGRAÇÃO DOS SANTOS ÓLEOS E RENOVAÇÃO DAS PROMESSAS SACERDOTAIS


Missa de consagração dos SANTOS ÓLEOS. Homilia (SE Mor José Faustino Filho)

QUINTA-FEIRA SANTA (HAMXO D'ROZO) Sagração dos Santos Óleos e Renovação das Ordens Sagradas Catecúmenato (MEXHO) - Crisma ou Confirmação (MUEON) - Unção dos Enfermos (OSIUTO): 2°Cor 1,15-22 e Marcos 14,1-9. MEMORIAL DO LAVA-PÉS: Gálatas 3,13-22 e João 13,1-20. INSTITUIÇÃO DA EUCARISTIA OU SANTA CEIA: 1°Cor 11,23-34 e Lucas 22,14-30.


RENOVAÇÃO DAS PROMESSAS SACERDOTAIS
Clero Sírio Ortodoxo diante de SE Mor José Faustino Filho

CELEBRAÇÃO DO SÁBADO DE ALELUIA COM O CLERO SÍRIO ORTODOXO DO CEARÁ

Igreja Siríaca Ortodoxa

de Antioquia
P a r t i c i p e!
a Celebração da Divina Liturgia a Santa Missa.

     Contato: (85) 9 8691 6971 Pe. Francisco Cordeiro de Abreu (ISOA)


Programação do Encontro: Sábado de Aleluia

MANHÃ:
08:00 – Acolhimento e abertura;
08:10 – Oração inicial do Santo Terço de Maria;
08:50 – Cânticos, Louvor e oração;
09:30 – Pregação – Tema: Mc 1,15 – “Cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho”.
10:00 – Oração de cura e libertação;
10:30 – Intervalo;
10:40 – Pregação – Tema: Ef 5,18 – “Buscai a plenitude do Espírito”;
11:30 – Adoração a Sagrada Face de Jesus;
12:00 – Intervalo para almoço.

TARDE:
14:00 – Acolhimento e abertura;
14:10 – Cânticos, louvor e oração;
14:30 – Pregação – Tema: Somos Católicos, Somos Ortodoxos, Somos Siríacos;
15:00 – Adoração a Santa Cruz de Cristo;
15:40 – Intervalo;
15:50 – Avisos;
16:00 – Celebração da Santíssima Eucaristia.

Pe. Francisco Cordeiro de Abreu (ISOA)
Contato: (85) 9 8691 6971

15 de fev de 2018

ANIVERSÁRIO DO MONS. FRANCISCO CLÁUDIO LEITE DE MORAIS


Aniversário Natalício
Mons. Francisco Cláudio Leite de Morais

Parabéns! Que todos os votos de felicidades cheguem até ao trono de Deus, para realizá-los o mais rápido possível.

É festa no olhar de todas as pessoas que têm um abraço para lhe ofertar, e uma palavra de carinho para lhe dedicar. Você merece, e os homenageados de hoje somos todos nós que temos a sua amizade.

Que Deus abençoe você a cada ano, e que essa nova idade lhe traga muitas chances para vencer, pois você merece. Muitos anos de vida, e um feliz aniversário!

Votos da ISOA RN.

8 de jan de 2018

MISSÃO NA CIDADE DE OCARA PELOS PADRES E DIÁCONOS SÍRIOS ORTODOXOS DO CEARÁ

ALTAR DA PARÓQUIA SÍRIO ORTODOXA DE OCARA - CE.

Resumo do final de semana em Ocara na Paróquia São José.
Por: Diác. Abraão Carnaúba

Como diz o Senhor na passagem antes citada, grande, extenso é o campo, mas poucos são os operários.

Dimensão da Paróquia Sírio Ortodoxa São José - Em reforma.

Sendo um campo vasto, precisamos nos dispor sempre, pois enquanto não se percorrer o plantio do trigo com uma certa frequência, o semeador do joio o fará.

Encontramos muita gente "animada" porém outras com expressões que nos deixa um pouco "preocupados," porém, muitas ideias nos vêm também.

Incensando o altar para a Divina Liturgia

Louvado seja a ideia da Igreja Central em fazermos está escala de todos os finais de semana ir alguns missionários (este é o termo mais direto) a Ocara, precisamos replantar, regar, recriar, renovar, pois o campo é muito favorável.

Os irmãos da Igreja irmã se encarregaram de "macular" todo um serviço, esforço e dedicação de quem sempre esteve lá, porém é preciso nos reavaliarmos, é muito tempo ausente onde o "mau feitor" está sempre presente.

Santo Qurbono presidida pelo Padre Cordeiro

Depois de uma longa e cansativa faxina no local, saímos em visita convidando as pessoas para a oração do terço. Aguardamos as pessoas, mas infelizmente não compareceu ninguém, salvo o senhor Pedro. Pela manhã, como havíamos combinado é divulgado a Divina Liturgia as 8 horas, também não compareceu ninguém, salvo o senhor Pedro.

Saímos com uma sensação de missão cumprida, pois fomos e fizemos o que estava na programação, porém com uma certeza muito grande, algo tem que ser feito, pensado com urgência (já iniciamos)...

Vai dá tudo certo!
O Senhor é conosco!

Grande abraço! (Diác. Abraão Carnaúba)

SEGUE AGENDA JANEIRO DE 2018 - OCARA:

Dia 06/01/2018 (Sábado): (Pe. Cordeiro e Diácono Abraão) missa às 08h (domingo);

Dia 13/01/2018 (sábado): (Diáconos Carlos e Sílvio)
Dia 14/01/2018 (domingo): missa às 08h com o Monsenhor Eloy;

Dia 20/01/2018 (sábado): (Diáconos Antônio e Abraão)
Dia 21/01/2018 (domingo): missa às 08h: Pe. Nelio Façanha.

5 de dez de 2017

A ORAÇÃO DOS PRIMEIROS CRISTÃOS

Santo Inácio de Antioquia
(+ 107, aproximadamente)

As cartas de Santo Inácio não contêm preces propriamente ditas, mas aspirações da alma e votos dirigidos ao Pai ou a Cristo. Deus não é tanto Senhor, como o Pai invocado por intermédio de Jesus. Suas invocações bem espontâneas são o primeiro testemunho de oração pessoal, no que esta possui de vivo e íntimo.

O CANTO DO PAI:

14 Vosso presbítero (2) está tão unido ao vosso bispo como as cordas à citara, por isso Cristo Jesus é celebrado na vossa concórdia e na harmonia de vossa caridade. Todos juntos, vós vos tornastes como um só coro que na unidade canta a melodia de Deus, a uma só voz, por Jesus Cristo, ao Pai. Assim ele vos ouça e vos reconheça por vossas boas obras, como a membros de seu Filho. 

(2) O presbitério significa o colégio dos padres, agrupado em volta do bispo.